A decolagem do consumo de Azeite em vários países e sua relação de que é um produto saudável (conforme os Benefícios do Azeite para o Coração descrito no rótulo) é apenas um exemplo do que está acontecendo.

Os mercados emergentes e os mercados dos países desenvolvidos estão cada vez mais valorizando o Azeite pelas muitas pesquisas científicas que mostram que o quanto saudável é para o coração e que protege contra câncer, diabetes ou doença óssea, entre muitas outras propriedades.

 

O que demonstram as vendas

Pesquisas apontam que 85% dos consumidores dos EUA pensam que o óleo de oliva é mais saudável ​​do que outros óleos vegetais. Isto é afirmado por um estudo realizado pela Associação Americana de Azeite (NAOOA).

Os americanos compram o Azeite não só pelo seu gosto e suas possibilidades na cozinha, mas principalmente porque é uma gordura saudável. O grau de relação direta entre essa percepção do azeite como alimento saudável e o aumento das vendas ainda não é quantificado em números, mas a verdade é que nos Estados Unidos consomem 300 milhões de litros Azeite, que significa “um litro por habitante por ano”.

Verde Oliva em exposição na Expoazeite 2017

Azeite Verde Oliva em exposição na Expoazeite 2017. Foto: Clícia.

O que pensam os especialistas

Especialistas em comércio exterior também perceberam essa relação. “Todos os produtos saudáveis ​​têm uma lacuna no mercado e o azeite, como substituto de outras gorduras que não são saudáveis, abre cada vez mais essa lacuna”, diz Isabel López, diretora do setor de ICEX (Espanha Exportações e Investimentos) de Andaluzia.

Rafael Pico, diretor da Asoliva (Associação Espanhola de Indústria e Exportadora de Azeite) lembra que estudos que mostram os benefícios do azeite não são nenhuma novidade, mas que são frutos do trabalho de muitos anos.

No mesmo período o consumo de azeite aumentou em todo o mundo. “A saúde é o melhor cartão de visita para o azeite, de modo que cada um dos estudos científicos que são publicados continuamente ajudam muito na propaganda, o que impulsionam as vendas”.

Rafael considera que esta correlação entre o azeite e a saúde está crescendo cada vez mais e, de fato, “outras gorduras começam a copiar os formatos do Azeite, com qualidades extras e extra virgem por exemplo, como ocorre com alguns óleos de girassol, algo que confunde o comprador ao associá-lo ao azeite”, explica.

Na sua opinião, “é impossível” determinar a porcentagem entre o conhecimento das propriedades de saúde de um óleo e seu nível de vendas, mas é claro que “embora seja evidente que não é um remédio, à medida que mais pesquisas são feitas sobre os benefícios à saúde das pessoas que o consomem a longo prazo, mais o produto tem saída”.

Ele enfatiza que, mesmo assim, o azeite representa apenas 3% do consumo de gorduras em todo o mundo, de modo que, acompanhado de marketing e promoção, a pesquisa é essencial. “Não há uma promoção maior do que uma boa pesquisa científica”, insiste.

 

Por que o Azeite faz bem a saúde?

80% do azeite é composto de ácido oleico15% é ácido linoleico e 1,5% de ácido linolênico. O resto, cerca de 2% dos componentes nutricionais do azeite são polifenóis, que possuem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.

Entre os polifenóis mais característicos incluem derivados do ácido cinâmico, como o ácido cafeico; Secaroideido glicosilado: oleuropeína; e os derivados resultantes da sua hidrólise, fenóis: tirosol e hidroxitirosol, como Luis Serra Majem, presidente da Fundação Internacional para a Dieta do Mediterrâneo, afirmou recentemente.

O tipo de gordura encontrada na azeitona é o que lhe dá algumas das suas propriedades benéficas. O ácido oleico é um tipo de gordura cardiosaludável e é de 80% do óleo. Assim, o consumo habitual de azeite atua na prevenção dessas doenças, reduzindo o risco de sofrer hipertensão, diabetes, distúrbios dos níveis de colesterol e obesidade.

Também reduz as complicações produzidas por doenças cardiovasculares e mostrou que o azeite tem efeitos benéficos sobre a saúde digestiva, efeito protetor contra alguns tipos de câncer e reduz o risco de demência e doença de Alzheimer. E alguns estudos também mostram proteção contra a osteoporose.

Pesquisas demonstram benefícios do Azeite e aumentam o seu consumo

 

Efeitos cardiovasculares

Uma pesquisa cientifica da Universidade de Córdoba (UCO) no Instituto Maimonides de Pesquisa Biomédica de Córdoba (IMIBIC) e do Hospital Universitário Reina Sofía Cordobés permitiu conhecer novos efeitos do azeite virgem no organismo.

Com o consumo frequente, as células que alinham as artérias foram mais protegidas contra a inflamação, origens de problemas cardiovasculares, em relação a outros tipos de gorduras que não contribuíram com a mesma quantidade desses compostos.

Pesquisadores da Unidade de Nutrição Humana do Hospital Universitário Universitário Rovira i Virgili-Sant Joan de Reus e do Instituto de Pesquisa em Saúde Pere Virgili (IISPV) mostraram em um estudo que apresentava níveis elevados de sangue de um metabolito, conhecido como acilcarnitina, está associado a um risco aumentado de doença cardiovascular, incluindo acidente vascular cerebral, acidente vascular cerebral ou morte por causas cardiovasculares. Esta associação pode ser atenuada em pessoas que seguem uma dieta suplementada com azeite extra virgem e nozes.

Estas são apenas duas das muitas investigações que relacionam o consumo de azeite com a proteção do coração e do sistema arterial, e foi uma das primeiras descobertas sobre os benefícios do Azeite.

Envase do Azeite

Envase do Azeite na Fazenda Verde Oliva em Delfim Moreira – MG. Foto: Clícia

Contra câncer de mama

Pesquisa sobre o câncer de mama é um dos mais importantes de estudos científicos sobre o azeite. Um dos últimos que associa o consumo contínuo à prevenção do câncer de mama foi feito na Universidade de Jaén, dirigido pelo médico Juan José Gaforio.
Ele demonstra a atividade antitumoral de um fitoestrógeno (pinoresinol) que está presente em óleos de oliva extra virgem, válidos para prevenir muitos tipos de câncer, mas principalmente o de mama.

O estudo da Universidade de Jaén é um dos mais recentes que foram publicados nesse sentido e que constituem uma importante base científica em que, passo a passo, investigação após investigação, prosseguem as boas notícias sobre o esse tipo de óleo.

O maior estudo até então conhecido neste sentido é o Predimed. Durante 10 anos, milhares de espanhóis receberam um litro de azeite extra virgem a cada semana. Após anos de acompanhamento, esta pesquisa provou que o ouro líquido é um protetor potente contra o câncer de mama.

O estudo Predimed foi iniciado em 2003 com 7.444 participantes de sete comunidades para verificar os benefícios cardiovasculares da dieta mediterrânea. Quinze anos depois, o trabalho continua a fornecer dados, por exemplo, aqueles relacionados ao tumor mais freqüente nas mulheres.

De acordo com o Predimed, quatro colheres de sopa por dia são suficientes para proteger. O risco de câncer de mama é reduzido em 68%.

Atualmente está trabalhando no Predimed Plus, que está no processo de pesquisa de campo e promete dar novas boas notícias sobre o que o consumo contínuo de azeite pode fazer pela nossa saúde.

Predimed também trabalha o óleo de oliva interprofissional, que com a equipe liderada pelo professor Eduard Escrich na Universidade Autônoma de Barcelona descobriu que o consumo de azeite extra virgem reduz a malignidade do câncer de mama e retarda o crescimento de tumores.

 

Outros tipos de câncer

Além de proteger o câncer de mama, o azeite age contra todos os tipos de células cancerígenas. Dezenas de investigações assim o indicam. Como a Universidade de Quebec em Montreal (UQÀM), mostrou que os polifenóis do azeite extra virgem têm a capacidade de retardar a progressão de um tumor canceroso.

Também foi descoberto como um composto de azeite poderia ajudar a prevenir o desenvolvimento de câncer cerebral, de acordo com um estudo realizado por cientistas da Universidade de Edimburgo e publicado no Journal of Molecular Biology.

Rutgers University em New Jersey (EUA) e Hunter College em Nova York (EUA) demonstraram como um componente do azeite extra virgem é capaz de matar células cancerosas sem danificar células saudáveis.

Foi a conclusão do último estudo realizado por uma equipe de cientistas da revista Molecular and Cellular Oncology. O ingrediente em questão é ‘oleocantal’, um composto orgânico natural isolado do azeite virgem extra e responsável por seu sabor particular ligeiramente picante.

cientistas pesquisando o azeite para combater o cancer

Cientistas estudam o efeito do Azeite contra o cancer na Universidade de Jaén. Foto: Gaforio.

Para ossos, diabetes e doenças neurodegenerativas

A Unidade de Nutrição Humana da Universidade de Rovira i Virgili (URV-IISPV) descobriu que o consumo habitual de azeite virgem, especialmente o azeite extra virgem, reduz o risco de fratura osteoporótica em 51%. Estes resultados mostraram, pela primeira vez, o papel benéfico do consumo regular de azeite para a proteção dos ossos. Por outro lado, pesquisadores do Departamento de Nutrição e Bromatologia da Universidade Pablo de Olavide.

Já escrevemos sobre isso no artigo 2 colheres de Azeite no combate à Osteoporose.

Na “Pesquisa Translacional em Doença Cardiovascular” na Universidade de Málaga – integrada no Instituto de Pesquisa Biomédica de Málaga (Ibima) comprovou que o consumo diário de hidroxitirosol, um polifenol presente no azeite extra virgem, pode minimizar ou mesmo prevenir problemas vasculares associados à diabetes.

Da mesma forma, contrariamente ao que os pesquisadores esperavam, eles produziram uma redução progressiva dos níveis plasmáticos de glicose e insulina, com redução do estado de resistência à insulina e níveis de estresse oxidativo.

Além disso, um estudo da Universidade de Nápoles Federico II (Itália) mostrou que a introdução de azeite extra virgem em alimentos, reduz o pico de níveis de glicose no sangue de pessoas com diabetes tipo 1 após as refeições, um efeito que não foi observado quando a manteiga foi usada.

Pesquisadores da Escola de Medicina Lewis Katz da Temple University, na Filadélfia (EUA), identificaram um ingrediente específico que protege contra deficiência cognitiva: azeite extra virgem. Por outro lado, cientistas do Instituto de Estudos Avançados de Madrid (IMDEA) Alimentación estão realizando um estudo sobre o efeito do hidroxitirosol presente no azeite virgem extra na doença de Alzheimer. Resultados preliminares sugerem que esse polifenol poderia prevenir e atrasar o aparecimento desta doença.

 

Conclusão

Uma procura cada vez maior por um estilo de vida mais saudável, tem dado maior relevância aos estudos científico sobre os benefícios do Azeite o que por sua vez, impulsionam o seu consumo.

Se você tem dúvidas sobre os tipos de azeites que existem e qual comprar, já fizemos uma postagem sobre isso em Entenda sobre tipos de Azeite e reconheça um de boa qualidade que talvez possa te ajudar

Você também pode conhecer mais sobre o processo de fabricação do Azeite Verde Oliva.

Pin It on Pinterest